terça-feira, 11 de agosto de 2009


Olá pessoinhas durante as minhas aulas passei como lição de casa que procurassem sobre um assunto: Diwali. Vou postar todos os trabalhos para que conheçam e também uma forma de incentivar minhas pequenas cada vez mais.


Silvana Souza de Sá
lDeepavali - o festival das luzes
Deepavali ou Diwali é um dos mais celebrados festivais da Índia. A palavra Deepavali se origina de duas palavras sânscritas: deepa que significa “luz” e Avali que significa “fileira”. Assim, Deepavali é chamado de “o festival das luzes”.

Para se celebrar o Deepavali, os hindus acendem lamparinas, tomam banhos aromáticos, fazem desenhos multicoloridos no chão feitos com farinha de arroz, limpam e decoram as casas, vestem roupas novas, preparam doces em casa, estouram fogos de artifício, e veneram as vacas como sendo encarnações da deusa Lakshmi (deusa da abundância e prosperidade) e Lakshimi Puja (oferenda a Lakshmi).
Existem duas principais estórias relacionadas à mitologia que explicam a importância do Deepavali.
Na primeira estória, o Deepavali significa o retorno de Lord Rama do seu exílio na floresta a seu reino Ayodhya após sua conquista vitoriosa sobre o cruel rei Ravana. Por um longo período Ayodhya foi mergulhada na escuridão quando Rama estava em seu exílio na floresta. Em sua ausência, a radiante Ayodhya foi uma cidade de escuridão, mas as florestas estavam cheias de luz. O retorno de Rama foi saudado pelo povo de Ayodhya como o retorno do esplendor divino e por isso os hindus celebram o evento com lamparinas espalhadas por todo lugar. Esta estória tem importância maior no norte da Índia.
No sul da Índia, Deepavali representa a vitória de Lord Krishna sobre o poderoso asura (demônio) Narakasura. Narakasura se tornou uma ameaça para os deuses no céu e se apoderou dos esplêndidos brincos de Aditi (a Deusa Mãe) e aprisionou as dezesseis mil filhas dos deuses em seu harém. Em desespero os deuses liderados por Indra solicitaram a Lord Krishna para destruir o demônio pois ele estava espalhando destruição. Krishna concordou prontamente e travou uma luta feroz e saiu vitorioso. Isso aconteceu depois que ele aceitou as dezesseis mil donzelas como suas esposas como solicitado por elas mesmas.
O significado por traz dessas estórias mitológicas é que o vilão da estória representa o ego dominado pelos desejos. Em nossas vidas, é o nosso ego e nossos desejos que nos causam transtornos e sofrimentos. Na estória de Lord Krishna, as dezesseis mil donzelas representam nossos inumeráveis desejos. Quando eles são controlados pelo nosso ego eles causam destruição e nos privam de nossa verdadeira felicidade. Mas quando são controlados e sublimados são substituídos pela luz da sabedoria, nos tornando conscientes de que somos divinos e livres do que o mundo dos sentidos tem a nos oferecer.
A chama da lamparina tem duas qualidades. Uma é banir a escuridão, a outra é seu contínuo movimento ascendente. Por essa razão, os sábios veneram a lamparina da sabedoria como a chama que guia os homens para estados superiores. Juntamente com o ato de acender lamparinas externas, o homem deve esforçar-se para acender as lamparinas dentro de si mesmo.
Deepavali é um festival designado a celebrar a supressão do Ego pelo Eu Superior. O homem é mergulhado na escuridão da ignorância e perde seu poder de discriminação entre o permanente e o transitório. Quando a escuridão da ignorância causada por Ahamkara (ego) é dispersada pela luz da Divina sabedoria, o esplendor do Divino é experenciado.
O significado íntimo de Deepavali é guiar o homem da escuridão para a luz. O ser humano é perpetuamente mergulhado na escuridão. Deve então acender uma lamparina que está sempre brilhando dentro de si e levá-la consigo aonde quer que vá, iluminando sempre seu caminho.
"asato ma sadgamaya
tamaso ma jyotirgamaya
mrtyorma amrtam gamaya"
(Brhadaranyaka Upanishad — I.iii.28)
Tradução: Guie-me de “Asat” para “Sat”
Guie-me da escuridão para a luz
Guie-me da morte para a imortalidade”
Sat = existência, realidade, verdade
asat = não-existência, não realidade, não verdade

Lakshmi – deusa da riqueza e da prosperidade é adorada. As casas são limpas e decoradas com as lamparinas. Acredita-se que Lakshmi entre somente nas casas que estiverem arrumadas e iluminadas.
Lakshimi é nobre e bela, é a mãe soberana, aquela que traz prosperidade, que carrega consigo saúde, amizade e harmonia.

Lêem-se no primeiro dia os sutras em favor da deusa Lakshmi.
Poojas (oferendas) são feitas e as canções de devoção são entoadas em louvor à deusa.
Mandalas narrando a chegada da deusa são feitos em oferenda, com farinha de arroz e pó de vermilion, nos assoalhos das casas. As lamparinas são cheias com óleo e iluminam as casas durante toda a noite. As luzes resplandecendo são um espetáculo admirável.
No dia seguinte, a celebração rememora a lenda na qual é morto o demônio e a luz vence. Tomam-se os tradicionais banhos com óleo e aplicam-se kunkuns – sinais – na testa de homens e mulheres.
Os livros são adorados em cerimônias especiais, e tudo o que é velho, roupas gastas, objetos quebrados etc, é trocado; limpam-se os armários e renovam-se todas as coisas. No dia de Diwali, ou terceiro dia, doces deliciosos são preparados e trocados entre amigos e parentes.
Deve ser atraída com bons pensamentos e com pureza de coração.
On namah Lakshmi! Jaya jaya Lakshmi!

Lenda principal - A História de Rama e Sita:
Deus Rama era um grande guerreiro, o Rei que foi exilado por Dashratha, seu próprio pai devido a insistência de sua esposa. Junto com o Rei de Ayodhya, foram ao exílio sua esposa Sita e seu irmão Lakshman. No exílio Deus Rama destruiu seu inimigo o demônio Ravana de Lanka que era uma grande Autoridade altamente inteligente e conhecedora da literatura sagrada, mas dominado pelo mal. Após esta vitória do Bem contra o Mal, Rama voltou ao seu reino Ayodhya depois de 14 anos no exílio. Em Ayodhya, as pessoas ofereceram boas-vindas iluminando filas de abajures e lamparinas de barro. Portanto, é uma ocasião em honra celebrando a vitória de Rama sobre Ravana; da vitória da verdade contra a falsidade.
A lenda da Deusa Lakshmi: Neste dia, a Mãe Lakshmi que representa a riqueza e prosperidade emergiu do oceano de leite chamado de Ksheer Sagar. Tem-se como verdade que durante a noite a Deusa visitará a casa e abençoará com a boa fortuna. Por isso na noite de Diwali a Deusa Lakshmi é venerada e para oferecer boas vindas a ela todas as ruas, entradas e as casas são ilumunadas com lamparinas de óleo. A fabricação e distribuição de vários doces e delicias vegetarianas é o menu do dia.
Mas a festa além de ter uma forte conotação material também tem um importante significado espiritual. As iluminações do Diwali com diyas (lamparinas) iluminam e trazem brilho sobrenatural carregado de alegria, com intuito e esperança de encontrar a luz na escuridão, alcançando conhecimento onde há ignorância, e espalhar amor entre o ódio. Diwali também é conhecido como o Festival das Luzes. Luz é importante para o Hinduísmo, porque significa consciência e bondade. Antigamente usavam-se as lamparinas de barro, mas hoje todos os tipos de emissores de luz são usados, como velas de várias cores e formas, luzes elétricas etc. As quantidades de luzes podem ser comparadas com iluminação do natal no mundo ocidental.

Diwali tem muitas lendas. A iluminação, luzes e diyas significam a expulsão da escuridão e ignorância, como também o despertar da luz dentro de nós mesmos. É uma festa da família com muita comida, celebração e veneração. A Deusa Lakshmi tem um papel primordial neste festival. O festival ocorre no outono. É celebrado durante cinco dias contínuos dentro os quais cada dia possui seu próprio significado. Diwali é um festival de alegria, esplendor, brilho e felicidade. É o festival das luzes, celebrado no mundo inteiro com grande entusiasmo por todos os indianos. A singularidade deste festival é sua harmonia de cinco idéias diferentes:

O primeiro dia de Diwali
Dhanteras O primeiro dia de Diwali também é chamado Dhanvantari Trayodasi ou Dhanteras. É na realidade o décimo terceiro dia lunar de Krishna Paksh, a quinzena escura do mês de Kartik do calendário lunar indiano. Neste dia, Deus Dhanwantari (Deus da vida e medicina) saiu do oceano com o Ayurveda (o conhecimento da vida) para o ser-humano. Este dia marca o começo das celebrações do Diwali. Neste dia ao pôr-do-sol, os hindus após tomarem banho devem oferecer um deeya (lamparina) iluminado com Prasad (oferenda - doces) para Yama Raj, o Deus da Morte e rezar para evitar a morte intempestiva. Este oferecimento deveria ser feito perto de uma árvore de Tulsi, o Manjericão Santo ou qualquer outra árvore sagrada que normalmente os indinanos tem no jardim ou perto.

O segundo dia de Diwali
Choti (pequeno) Diwali O segundo dia de Diwali é chamado Narak Chaturdasi. Neste dia Deus Krishna destruiu o demônio Narakasur e fez o mundo livrar-se do medo. Neste dia a pessoa deve massagear o corpo com óleo para aliviar fadiga e tensões, tomar banho e descansar de forma que Diwali pode ser celebarada com muito vigor, entusiasmo e devoção.

O terceiro dia de Diwali
Lakshmi Puja (veneração da deusa da riquezas e fortuna) Este é o dia mais importante, quando a Deusa Lakshmi é adorada. Os hindus se banham, vestem as melhores roupas e se unem com os familiares. O Pandit (sacerdote) conduz e orienta a adoração da Deusa divina Lakshmi para receber as bençãos de riqueza e prosperidade, o triunfo do bem contra o mal e da luz sobre a escuridão.

O quarto dia de Diwali
Padwa e Govardhan Puja Neste dia, é executado Govardhan Puja (adoração da montanha Govardhan). Milhares de anos atrás, Deus Krishna pediu às pessoas do vilarejo de Vraja ( hoje Vrindavan) fazerem a veneração da montanha Govardhan em respeito ao reino mineral. A montanha oferecia muitas plantas medicinais, árvores, proteção contra ventos, alimento para os animais, etc. Existe uma outra lenda que diz; Certa vez devido a fúria de Indra (deus da chuva) ocorreu um dilúvio. Deus Krishna aconselhou as pessoas da cidade a se protegerem embaixo da montanha Goverdhan erguida por apenas um dedo do Deus Krishna salvando a vida de todos do vilarejo. A partir deste momento, todos hindus rezam neste dia do ano para a montanha Govardhan.

O quinto dia de Diwali
Bhai Duj (dia dos irmãos) O quinto dia do Diwali é chamado Bhai Duj. Normalmente dois dias depois do Diwali é um dia dedicado a irmãs. Muito tempo atrás, na era Védica, O Yama (Yamraj, o Deus de morte) visitou sua irmã Yamuna. Neste dia ofereceu a ela um Vardan (um benefício) no qual consistia em que aquele que a visitar a irmã neste dia será liberado de todos os pecados alcançando o Moksha ou emancipação final. Desde então, irmãos visitam as irmãs e preocupam-se com o bem-estar delas, trazem presentes etc em contrapartida as irmãs rezam almejando sucesso e segurança para o irmão.
Este dia marca o fim dos cinco dias de celebrações do Diwali.

3 comentários:

Anônimo disse...

Linda,

Obrigada pelo carinho!

A festa é mesmo linda!

beijocas

Luciana Arruda disse...

nossa deve ser lindo!

Simone * Zahira disse...

Muito legal esse post