sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

"O encontro da amiga de infância"

Olá povo estou em recife e hoje vou postar uma histórinha para vcs rsrs:

A Bailarina estava no shopping acompanhada de sua mãe e resolveram comer no Mc Donald´s quando estavam na fila encontram a amiga de infãncia da bailarina conversa vai conversa vem, colocam as noticias em dia de quem casou, quem separou, quem teve filho, quem ainda tem contato com quem e a mae da bailarina diz: - Filha vai pegar uma mesa enquanto eu compro. As amigas se despedem e quando a bailarina sai a amiga de infância diz: - Nossaaaaaaa como ela emagreceu. A mãe já responde na lata:- Para bailarina ela esta ótima com o corpo que toda mulher queria ter rsrs. Moral da história: Pô até amiga de infãncia fala por trás kkkk.

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Votem!!!

http://www.kmdois.com.br/festivalshimmie/?regiao=sudeste_1


Começou hoje a votação para o festival nacional Shimmie votem grupo el fareda nas seguintes categorias:
Solo amadora : Katiane Moretto e Katia Marcilio
Solo profissional Mica Feitosa
Solo juvenil Aline Grandi
Dupla Clássica : Katia e Aline Grandi e Katiane e Aline
Grupo Moderno: Grupo el Fareda

Pode votar 1 vez ao dia!!! Obrigada

terça-feira, 30 de agosto de 2011

ESCOLHA A CALMA - Palestra de Lançamento em 31 de Agosto (quarta-feira)

ESCOLHA A CALMA - Palestra de Lançamento em 31 de Agosto (quarta-feira)


Com Ken O'Donnell, Coordenador da
Org. Brahma Kumaris na América do Sul.



Horário:19h30


Local:SESC Vila Mariana

www.bkumaris.org.br/calma

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Cinecult!!!

Cine Cult - Dirty Dancing

Em 1963, Frances Houseman (Jennifer Grey), ou "Baby", como é chamada pela família, uma jovem de 17 anos, viajou com seus pais, Marjorie (Kelly Bishop) e Jake Houseman (Jerry Orbach) e sua irmã Lisa (Jane Brucker) para um resort em Catskills. Ao contrário de Lisa, que pensa em roupas, Frances é idealista e quer estar no próximo verão no Corpo da Paz estudando a economia dos países do Terceiro Mundo. Assim, ela espera que este seja o último verão como uma adolescente despreocupada, mas Baby não se dá muito bem com sua irmã mais velha e está entediada em tentar distrair os hospedes mais velhos (foi envolvida nesta situação por seu pai). Até que numa noite Baby ouve algo que parece ser um som de festa no alojamento dos funcionários (que os hospedes não podem ter acesso). Ela consegue entrar na festa graças a um empregado e descobre que ali o pessoal realmente se diverte com danças, que Max Kellerman (Jack Weston), o dono do hotel, não permite. Baby chega a dançar com Johnny Castle (Patrick Swayze), um professor de dança, e logo fica apaixonada por ele. Quando Penny Johnson (Cynthia Rhodes), a parceira de dança de Johnny, fica grávida por ter se envolvido com Robbie Gould (Max Cantor), um dos garçons, Baby se oferece para aprender a dançar e substituir Penny, mas o pai de Baby, quando descobre, não gosta disto, pois considera que Johnny é de outra classe social e Baby é jovem demais para entender seus sentimentos.

O Cine Cult partiu da idéia em analisar os filmes e estabelecer parametros e relações com a arte em geral, propor debates, indagar, provocar a curiosidade de quem assiste.
. Dia 26/08 às 19h00
Taxa de participação: R$ 10,00 ou 25 Shivinhas + R$ 5,00 Faça sua inscrição!
Vagas limitadas.




quinta-feira, 7 de julho de 2011

Movimentos Básicos com a Espada!!!

Sinopse: Dançar com este instrumento requer destreza, equilíbrio e muita graciosidade. Aprenda os principais movimentos utilizados nesta dança, deslocamentos e equilíbrios. Obs.: Necessário trazer a espada.

Professor: Dana
Nível: Todos
Número de Vagas: 20
Modalidade: Danças Árabes
Carga Horária: 2h
Investimento: R$ 64,00 para não alunos do ShivaNataraj Dia Semana Início Final Sala
07/07 QUI 15h00 17h00 Escaravelho

domingo, 3 de julho de 2011

TCC- Espada

Tema: Raks Al Saif = Dança da Espada

TCC
Trabalho de Conclusão de Curso Por: Mica Feitosa





Nome original:
Raks Al Saif

No Brasil :
Dança da Espada

Sua origem não é indistinta e não necessariamente atribuída á cultura egípcia ou árabe, sendo explicada por várias lendas e suposições.

Agora veremos algumas das
“Possíveis” suposições referente a historicidade da Dança da Espada.
Uma delas; diz ser uma dança em homenagem à Deusa Neit, uma Deusa Guerreira. Ela simbolizava a destruição dos inimigos e a abertura dos caminhos.
Outra, diz que na antigüidade as mulheres roubavam as espadas dos guardiões do rei para dançar, com o intuito de mostrar que a espada era muito mais útil na dança do que parada em suas cinturas ou fazendo mortos e feridos.
Mais uma conta que na época, quando um rei achava que tinha muitos escravos, dava a cada um uma espada para equilibrar na cabeça e dançar com ela. Assim, deveriam provar que tinham muitas habilidades. Do contrário, o rei mandaria matá-lo.
Outra história remete à época de guerra entre turcos e gregos. Os otomanos teriam contratado algumas bailarinas para levarem vinho e dançarem para os soldados inimigos. Quando estivessem embriagados, elas deviam pegar suas espadas e outras armas para dançar, facilitando o ataque.
Outra lenda, diz que grupos de beduínos atacavam viajantes que passassem perto de seus territórios, no deserto, durante a noite, para roubar as mercadorias que transportavam. Os mercadores eram mortos e as mulheres beduínas ficavam com suas espadas. Para comemorar a vitória da tribo, elas dançavam exibindo-as como troféus.
Mais uma história era que havia um tempo no egito em que as dançarinas eram vendidas como escravas nas cortes ou como propriedades dos ricos. Costumavam dançar com espadas em batalhas. Não simulavam lutar nem disputar, mas delicadamente essas espadas usadas em batalhas eram equilibradas na cabeça dançando destemidas, expressando-se livremente com a espada. O lema dessas mulheres era “Você controla minha vida, segura a espada sobre minha cabeça, mas não controla meu espírito."
Outra origem, que remete ás guerras entre Gregos e Turcos. Os Otamanos levam mulheres para os campos de batalha e elas dançavam com as espadas dos soldados do exército inimigo. Os homens ficavam extasiados, seduzidos e desarmados, assim o terreno estava preparado para ataques surpresos.
Em outra versão, a dança tem sua origem no Arjã, uma dança que era executada somente por homens, no qual o homem mais velho da aldeia dançava com a espada e com ela golpeava um prato de metal, como sinal de vitória sobre os inimigos. O arjã é o estilo conhecido como folclórico.
Não há nenhuma dança difundida no Oriente Médio que envolve o equilibrio de uma espada na cabeça da dançarina. A evidência histórica basica que levou as dançarinas modernas a tratar a espada como um suporte folclórico vem de uma pintura do artista Orientalista chamado Gerome, datada do século 19. Esta pintura inspirou muitas dançarinas modernas na Europa, Austrália, Nova Zelândia e América do Norte a equilibrar espadas nas suas cabeças, mas não é uma coisa comum de ser feita por dançarinas do Egito, Turquia, Líbano, ou outras partes do Oriente Médio.
Os investigadores da dança do ventre não puderam achar documentos confirmando esta prática. Há uma dança entre homens egípcios que envolve a espada ao longo da dança, executando movimentos marciais com a mesma. Mas em nenhum momento ao executar esta dança, os homens equilibram a espada nas suas cabeças (ou em qualquer outro lugar).
O certo é que, nesta dança, a bailarina deve saber equilibrar com graça a espada no corpo.É importante também escolher a música certa, que deve transmitir um certo mistério. Jamais se dançaria um solo de Derbak com a espada.
A dança da espada reflete toda alma de luta do povo árabe, sua disputa e dedicação pela terra amada.

É um número muito apreciado, onde a bailarina apresenta habilidades ao equilibrar a espada em diferentes pontos do corpo.
Dançar com a espada permite equilíbrio e domínio interior das forças densas e agressivas.
O certo é que, a apresentação da bailarina com a espada, exige equilíbrio e habilidade em conjunto com os movimentos realizados graciosamente.
A origem da espada tende a ser atribuído com certa leveza para povos orientais, mais especificamente os da influência Islâmica.
Raks Al Saif,
Dança da Espada ou
Dança da Cimitarra

A espada da dança é a Cimitarra, uma espada bem curva, de origem turca.
O que é certo, porém, é que a bailarina que deseja dançar com a espada, precisa demonstrar calma e confiança ao equilibrá-la em diversas partes do corpo.
Pontos de equilíbrio mais comuns são: cabeça, queixo, ombro, quadril e coxa;
Também é considerado um sinal de técnica executar movimentos de solo durante a música.
A princípio parece óbvio associar esta dança à batalha, violência e emoções fortes, uma vez que o objeto central é um instrumento de luta; uma arma. O desenvolvimento da dança da espada, porém, não exprime tal simbologia. Ao ser transferido para mãos femininas em manifestações corporais a espada adquiriu simultaneamente algumas características:
a) Força: a interpretação é direcionada para o aspecto de vigor, resistência energética e não de brutalidade;
b) Domínio: é traduzido através dos trabalhos de equilíbrio e acrobáticos que requerem racionalidade, habilidade e serenidade, alcance do perfeito equilíbrio entre corpo e mente;
c) Desafio: em nenhum momento do desenvolvimento desta dança encontra-se evoluções que lembrem o desafio para um duelo no sentido de luta. Os desafios são da própria bailarina, ou seja, dela superar seus limites pessoais. Podem ocorrer desafios entre bailarinas em uma apresentação, a qual artisticamente, uma tenta demonstrar suas habilidades em relação a outra e vice-versa.
d) Controle: não há demonstração de fortes emoções como ocorre na dança do punhal. Durante todo o tempo é necessário transmitir total controle, elegância e suavidade sobre a espada/cimitarra.

Sobre a Música:
Não existe um ritmo específico, contudo, o mais apropriado é o Whada wo noz. Em geral não utilizamos músicas cantada, somente instrumentais (não é uma regra).
Solos de Derbak não são apropriados, a não ser os breves, momentos de solos durante a música.
O estilo apropriado para desenvolver a dança da espada é o Clássico.

Execução e Técnica:

Os trabalhos com a espada certamente são os de equilíbrio que dão um charme a mais nesta dança.
Procure criar um ambiente propício para a exibição da espada, despertando a curiosidade de quem assiste ao show. Apresente a espada ao público como um mágico ou um trapezista fazem na introdução de seus shows.
Não se esqueça da evolução, ou seja, não fique presa somente aos equilíbrios, combine com movimentos pertinentes à música.
Transmita às pessoas que é muito simples trabalhar com a espada.
Os equilíbrios e sustentações podem ser realizados nos seguintes pontos tradicionais:
Cabeça;
Ombro;
Busto;
Quadril;
Estômago (cambrées);
Cambrée de solo equilibrando no ventre.
Coxa,
Antebraço;
Mãos.
A bailarina pode estudar outros pontos no corpo para desenvolver equilíbrio com a espada.

Procure utilizar trajes que possibilitem o desenvolvimento da dança, como por exemplo, calças, caso pense em criar uma coreografia que necessite movimentação de pernas altas.

Tradicionalmente a vestimenta para esta dança é o traje clássico, geralmente com saia ou bombacha (calça estilo “Jeanie é um gênio”).
Cabelos: preferencialmente pelo rabo de cavalo, trança ou faixas no cabelo para que fios próximos ao rosto não caiam sobre os olhos desconcentrando e atrapalhando sua movimentação claro que essa idéia varia de acordo com a idéia proposta pela bailarina.

Possíveis Características da Espada:

Comprimento total: 89,5 cm
Peso: Modelo Tradicional - 820 gramas /
Modelo Nova - 840 gramas
Lâmina em Aço Inox
Leve
Com o melhor equilíbrio (isso varia de pessoa para pessoa)
Capa protetora para transporte

Elas são feitas especialmente para serem equilibradas, e não possuem gume para impossibilitar o corte. Você ainda vai encontrar espadas com estilos e pesos bem diferentes por aí.

Considerações dos estudos da
Dança da Espada.

Provavelmente você vai se sentir bem "zen", calma, tranqüila, quando estiver dançando com uma espada diante do público. Mas lembre-se de que as pessoas não sabem que a coisa na verdade é bem fácil.
Então, mesmo que você consiga colocar a espada sobre a cabeça em 3 milésimos de segundo e iniciar uma seqüência de passos logo depois, tente fazer algo mais do que isso. Você precisa criar uma atmosfera de mistério no público. Entre fazendo poses com a espada. Faça movimentos lentos e precisos, imitando uma guerreira (uma guerreira um tanto graciosa). Arraste a espada e faça o público se perguntar como você vai fazer para conseguir levantá-la.
Quando chegar a hora de colocar a espada sobre a cabeça, faça tudo lentamente. Tudo tem que ser feito dessa maneira para que todos entendam a particularidade dessa modalidade e assim que a espada estiver devidamente equilibrada, dê uma pausa... Crie certo mistério! A dança do ventre com espada pode realmente hipnotizar o público se você fizer uma dança bem feita!
Dê valor aos seus estudos, dedicação e principalmente ao seu trabalho diferenciado!
Importante!
Equilibrar uma espada na cabeça, ou em qualquer parte do corpo, pode ser um pouco doloroso no início. Se você não estiver acostumada, pode sentir um incômodo por causa da fricção e da pressão da espada sobre o local. Então, não exagere, faça algumas pausas no seu ensaio, alterne a parte do corpo em que você equilibra a espada, até se sentir mais confortável.

Considerações finais por:
Mica Feitosa

Não só na Dança do Ventre, mas em qualquer situação de apresentação o fato é que a base de Tudo é imutavelmente o estudo e o treino! Não existe uma verdadeira bailarina se não houver o embasamento necessário e o amor pela profissão afim de que sua performance seja seguramente correta e apreciavelmente inesquecível. A limpeza de movimentos e o conhecimento das origens ainda é a melhor maneira de ser uma profissional respeitada e admirada!
Mica Feitosa El Fareda

Bibliografia:

*http://www.centraldancadoventre.com.br/a-danca-do-ventre/a-danca-do-ventre-modalidades/14-danca-da-espada
*http://bagdadancadoventre.com/index_arquivos/Page873.htm
*http://dunyacomar.vilabol.uol.com.br/Dancaflocorica.htm
*http://www.business-with-turkey.com/guia-turismo/danca_ventre_turquia1.shtml
*http://www.conexaodanca.art.br/imagens/textos/artigos/O%20que%20%E9%20Dan%E7a%20do%20Ventre.htm
*http://pequenapaty.wordpress.com/2009/03/26/arte-da-danca-do-ventre-e-sua-historia/
*http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/mulher-danca-do-ventre/danca-do-ventre-11.php
*http://www.espadano.com/espada/espada.htm
*http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/mulher-danca-do-ventre/danca-do-ventre-11.php
*http://evolucaodoser.hd1.com.br/index_arquivos/11.htm
*http://evolucaodoser.hd1.com.br/index_arquivos/11.htm
*http://dianibianchi.blogspot.com/2010_03_01_archive.html

sábado, 2 de julho de 2011

Estudo de Clássicas com Véu

Sinopse: Nesta aula abordaremos como usar diferentes tipos de movimentos com véus, ajudando na entrada em cena, nas músicas clássicas

Professor: Dana
Nível: Todos
Número de Vagas: 25
Modalidade: Danças Árabes
Carga Horária: 5h
Investimento: R$ 160,00 para não alunos do ShivaNataraj
05/07 TER 17h00 22h00

terça-feira, 28 de junho de 2011

Cinecult 01/07

Cine Cult com Dana El Fareda

O Cine Cult partiu da idéia em analisar os filmes e estabelecer parametros e relações com a arte em geral, propor debates, indagar, provocar a curiosidade de quem assiste.

Dia 01/07 - Sexta-Feira
das 19h00 às 22h00
*duas vagas disponíveis para troca

All That Jazz (1979) é um filme musical americano dirigido por Bob Fosse. Com o roteiro de Robert Alan Aurthur e Fosse é um semi-autobiográfico, uma fantasia baseada na vida e na carreira do bailarino, coreógrafo e diretor.
Nesta parte cinematográfica e musical, o diretor/coreógrafo Bob Fosse toma um olhar para a vida impulsionada pelo entretenimento. Joe Gideon (Roy Scheider, interpretando Fosse) que tem sérios problemas com drogas, álcool e fidelidade, também no filme está a ex-mulher Audrey (Leland Palmer), a constante namorada Kate (Ann Reinking), uma filha, e várias conquistas.
O estilo Fosse com movimentos realistas de números de dança extravagantes e de fantasias cinematográficas, como Joe, fala sobre a sua vida, sua mulher, e sua morte.
Críticos elogiaram Fosse na ousadia, e no enquanto Scheider foi louvado pelo melhor desempenho de sua carreira.
Seu lançamento foi em 20/12/79 e foi vencedor de 4 Oscars.



terça-feira, 21 de junho de 2011

Curso Profissionalizante!!!

Curso Profissionalizante: 5 Módulos - 1 vez por mês - 3hs de aula

Quarta: das 19hs 22hs - datas: 10/08 - 14/09- 12/10- 09/11- 14/12
ou
Domingo: das 14as 17hs - datas: 14/08- 11/09- 09/10-13/11- 11/12

Valor: R$ 500,00 divididos em 5 cheques
Máximo de 12 alunas por Módulo
Local: Templo Denderah Art Studio
Rua Juaracê n.23 – Vila Mariana – São Paulo
Profª Dana El Fareda

domingo, 12 de junho de 2011

Espadas do oriente


Foto: Buenos Aires



Trabalho de conclusão do curso temporário de espadas.

Nome da aluna: Roseli Oltramari – 10/06/2011

Espadas do Oriente


Cimitarra Persa


A palavra samshir – literalmente “garra de leão”, palavra que deu origem a cimitarra em português –arma originária da Pérsia (atual Irã), que foi adotada pelos árabes e se espalhou por todo o mundo islâmico até o século XIV. É uma espada extremamente cortante.
Especial: se usado por um cavaleiro a galope contra um alvo imóvel ou vindo na direção contrária, o dano aumenta em ½ grau.


Cimitarra Real

Exemplo de cimitarra de qualidade muito superior à média. Foi encomendada por Abbas, xá da Pérsia de 1588 a 1629 e mais tarde presenteada ao czar da Rússia. Desapareceu durante a Revolução Russa, mas reapareceu depois da II Guerra Mundial em uma coleção privada e está hoje no museu Berman, no Alabama (EUA). O punho e a bainha somam um quilo de ouro, 1.295 pequenos diamantes e 50 quilates de rubis, além de uma esmeralda de 11 quilates.
Especial: se usado por um cavaleiro a galope contra um alvo imóvel ou vindo na direção contrária, o dano aumenta em ½ grau.


Cimitarra Afegã

Versão afegã da cimitarra.
Especial: se usado por um cavaleiro a galope contra um alvo imóvel ou vindo na direção contrária, o dano aumenta em ½ grau.


Cimitarra Indiana

Talwar ou tulwar, cimitarra da Índia semelhante ao shamshir, mas com pomo em forma de disco.

Cimitarra Árabe


Variante árabe da cimitarra.


Cimitarra Curta

Cimitarra árabe pequena e ágil, às vezes usada em pares.
Especial: se usado por um cavaleiro a galope contra um alvo imóvel ou vindo na direção contrária, o dano aumenta em ½ grau.


Cimitarra Turca


Variante turca da cimitarra, conhecida como kilij e a mais conhecida no ocidente. Semelhante ao shamshir, mas tem uma curva em ângulo, que impede que seja guardada em uma bainha fechada (esta exige uma espada reta ou com curva em forma de arco de círculo).


Saif / Seif (árabe)



Clássica espada árabe, usada desde os tempos pré-islâmicos. Os cavaleiros passaram a preferir a cimitarra até o século XIV, mas continuou a ser usada por guerreiros a pé e como símbolo de status por nobres e príncipes.


Kastane

Espada típica do Ceilão (Sri Lanka), possivelmente inspirada em espadas portuguesas do século XVI. Pelo equilíbrio e beleza da decoração, é muito usada por bailarinas em suas demonstrações de dança do ventre.



Sabre Persa

Sabre persa do século XVIII, usado para esgrima.



Fonte On-line: http://rpg_ficcao.sites.uol.com.br/Armas/Espadas09.htm


Cimitarra
Cimitarra do século XVII, proveniente da Índia.
A cimitarra (scimitar em inglês, saif em árabe, shamshir no Irã, kilij na Turquia, pulwar no Afeganistão, talwar ou tulwar na Índia e Paquistão) é uma espada de lâmina curva mais larga na extremidade livre, com gume no lado convexo, utilizada por certos povos orientais, tais como árabes, turcos e persas, especialmente pelos guerreiros muçulmanos.
É a espada mais típica do Oriente Médio e da Índia muçulmana.
Originária da Pérsia, foi adotada pelos árabes e espalhou-se por todo o mundo islâmico até o século XIV. É originalmente uma espada de cavaleiros e cameleiros: em muitos desses países, espadas retas continuaram a ser preferidas para guerreiros a pé ou para fins cerimoniais.
Comparável à katana japonesa, a cimitarra é também uma espada curva de um só gume extremamente cortante e ágil, feita com aço da melhor qualidade. e tambem usada por piratas.
Uma cimitarra típica tem de 90 cm a 1 metro de comprimento total e pesa de 1,0 kg a 1,5 kg.
Cimitarra curta
A cimitarra curta é uma variante menor e mais ágil da cimitarra, freqüentemente usada aos pares, uma em cada mão. Uma típica cimitarra curta tem em torno de 56 cm de comprimento e pesa 500 gramas.
Saif
A saif ("espada" em árabe) é a clássica espada longa árabe, usada desde os tempos pré-islâmicos. Os cavaleiros e cameleiros árabes passaram a preferir a cimitarra por volta do século XIV, mas a saif reta continuou a ser usada por guerreiros a pé e a ser o símbolo do status de nobres e príncipes. Uma típica saif tem cerca de 1 metro de comprimento total e pesa em torno de 1,2 kg.
Cimitarra de fantasia
As cimitarras reais são armas ágeis, leves e elegantes, mas, no cinema tornou-se um clichê demasiado freqüente representá-las como armas imensas, geralmente nas mãos de um corpulento guarda de harém. Réplicas de tais armas da imaginação de Hollywood costumam ter cerca de um metro de comprimento, mas pesam o triplo de uma cimitarra normal - tanto quanto uma montante (espada de dois gumes). Exigiriam as duas mãos para serem manejadas.
Fonte On-line: http://pt.wikipedia.org/wiki/Cimitarra


Dança com Cimitarra
Dança com várias versões para sua origem. A primeira seria que esta dança servia para homenagear a deusa Neit, mãe de Ra, deusa da guerra, que destruía os inimigos e abria os caminhos.
Uma segunda versão conta que a dança com a cimitarra surgiu das tabernas ou casas de prostituição. Os soldados, após um dia de luta, iriam descansar nesses lugares e as mulheres da casa pegavam suas espadas e dançavam, para sua diversão. Na terceira versão, deriva do Arjã, dança milenar que só era executada por homens, geralmente os velhos das aldeias, e simbolizava a vitória sobre os inimigos e a conquista de territórios. Com o passar do tempo, as mulheres incorporaram a cimitarra, espécie de espada com a ponta recurvada, às suas danças.
Fonte On-line: http://www.kahire.com.br/artigo_6.htm
*****************************

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Mensagem do Dia!!!

Recebi esta mensagem de uma aluna que todos possam aproveita-la... beijocasss




Sugestões Para Ser Feliz

1. Elogie ao menos três pessoas por dia;
2. Assista ao nascer do sol pelo menos uma vez ao ano;
3. Tenha um aperto de mão firme;
4. Olhe as pessoas nos olhos;
5. Cante no chuveiro;
6. Gaste menos do que você ganha;
7. Reconheça seus erros; Saiba perdoar a si e aos outros;
8. Aprenda a conviver em grupo, você não está sozinho no mundo;
9. Devolva tudo o que pegar emprestado;
10. Trate a todos que você conhece, assim como gostaria de ser tratado.
11. Jamais prive uma pessoa de esperança, pode ser tudo que ela tenha;
12. Saiba guardar segredos;
13. Sorria, não custa nada e não tem preço, o sorriso aformoseia o rosto;
14. Não ore pedindo coisas, e sim sabedoria e coragem;
15. Dê as pessoas uma segunda chance, você pode vir a precisar dela;
16. Não tome nenhuma medida enquanto estiver zangado;
17. Dê o melhor de si no seu trabalho;
18. Faça sempre novos amigos;
19. Não adie uma alegria;
20. Viva cada instante como se fosse o último.

Autor Desconhecido

Grupo el Fareda!!!


Eventre 05/06/2011
Simoni Marini e Katiane Moretto
Parabèns meninas!!!

sábado, 4 de junho de 2011

Cinecult!!!


Cine Cult com Dança el Fareda

Dia 19/06 - Domingo
das 16h00 às 19h00

...Convite: R$ 10,00

All That Jazz (1979) é um filme musical americano dirigido por Bob Fosse. Com o roteiro de Robert Alan Aurthur e Fosse é um semi-autobiográfico, uma fantasia baseada na vida e na carreira do bailarino, coreógrafo e diretor.

Nesta parte cinematográfica e musical, o diretor/coreógrafo Bob Fosse toma um olhar para a vida impulsionada pelo entretenimento. Joe Gideon (Roy Scheider, interpretando Fosse) que tem sérios problemas com drogas, álcool e fidelidade, também no filme está a ex-mulher Audrey (Leland Palmer), a constante namorada Kate (Ann Reinking), uma filha, e várias conquistas.

O estilo Fosse com movimentos realistas de números de dança extravagantes e de fantasias cinematográficas, como Joe, fala sobre a sua vida, sua mulher, e sua morte.

Críticos elogiaram Fosse na ousadia, e no enquanto Scheider foi louvado pelo melhor desempenho de sua carreira.

Seu lançamento foi em 20/12/79 e foi vencedor de 4 Oscars.

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Logo do Grupo el Fareda!!!


Este é o logo do grupo el fareda ensaio neste sábado das 16 as 17:30!!!

terça-feira, 31 de maio de 2011

Grupo el Fareda!!!


1 Festival Racks Sharki arte e dança
Dia 29/05/2011
Parabéns meninas pela conquista 4 lugar categoria dupla!!!

quarta-feira, 25 de maio de 2011

VII Semana de Artes

Entre os dias 21 e 28 de maio será realizada a VII Semana de Artes da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). Este ano o tema será Rosa dos Ventos: As direções das políticas públicas e acadêmicas na área das artes.

A proposta é discutir as funções das instituições artísticas, abordando as possibilidades de atuação na área artística inserida nos espaços públicos.

O evento contará com espetáculos de dança; teatro; intervenções artísticas; ações comunitárias; oficinas; mesas e mostras. As atrações começam no dia 21, às 9h com um ensaio aberto com o grupo de teatro itinerante Mambembe, um projeto da Pró-Reitoria de Extensão da UFOP no Centro de Artes e Convenções.


MulticulturalProgramação dia 25 de maio (quarta-feira)
DIA 25 (Quarta)

8h-12h: Ações Comunitárias: Projeto Nossa Cidade.

LOCAL: Comunidade Ouropretana

9h às 12: Arte Hoje – Territórios Expandidos - Oficina de Rádio- Oferecida pela Parabolinóica ao CAPS /OP (Local: Núcleo de Arte /FAOP) 13h-17h: Oficina de Bufonaria com Ana Carolina Abreu (UFOP) LOCAL: Tenda Cultural do Trem da VALE.

13h-17h: Oficina Análise de Contos Literários com José Luiz Foureaux (ICHS) e Gustavo Moreira (ICHS).

LOCAL: Instituto de Filosofia Artes e Cultura.

14h – 16h: Roda de Conversa: Formação de coletivos culturais independentes com Lucas Mortimes, Roberta Henriques Brito e Luciana Vianna – Coletivo Pegada (Belo Horizonte).

LOCAL: Auditório do Departamento de Engenharia Geológica.

14h às 17h: Arte Hoje – Territórios Expandidos - Oficina: Audiovisual e Patrimônio - Oferecida pela Base Criativa ao projeto Aro.

16h30-18h30: Intercâmbio Científico.

LOCAL: Auditório do Departamento de Engenharia Geológica.

18h30: Mostra Miscelanea – Performance “O caminho de Alice” – Cia. Coelho Branco. LOCAL: Centro de Artes e Convenções – Bloco B , sala 08.

19h: Arte Hoje – Territórios Expandidos - MESA- Tecnologias da informação, Arte e Loucura – relato de experiências .KaKo Nabuco – Caps –OP.Edvaldo Nabuco – Fiocruz/Laps .João Evangelista – Rede Parabolinóica/BH. Raquel Falcão – mediadora.

19h30: MOMU – Comemoração 10 anos de MOMU

LOCAL: Teatro Ouro Preto

23h: Mostra de Música.

LOCAL: Largo do Cinema.

Ufaaa muita coisa neh depois vou postar os comentários dos cursos tá... beijinhussss

domingo, 22 de maio de 2011

MINI-CURSOS

Continuando e finalizando meus estudos no Seminário em Viçosa público alguns dos cursos que pude vivenciar, semana que vem terei mais novidades aguardem!!!

Mini Curso 1
Professora: SONIA MOTA (Köln/Germany/Cia. De Dança do Palácio das Artes)
ARTE DA PRESENÇA
Sem ser uma técnica da improvisação, Arte da Presença improvisa com as regras do dançar, provoca o diálogo
do bailarino com sua própria técnica e evidencia: a consciência da força da gravidade, a eliminação do eixo
central em favor dos eixos laterais, o diálogo dinâmico entre as polaridades internas e externas do movimento,
a utilização das articulações ósseas, o uso da fantasia na apresentação e execução dos movimentos, a
eliminação do compromisso de acerto, o exercício do movimento em estado de reação, a ênfase na qualidade
de absorção da energia
Mini Curso 2
Professor: ARNALDO ALVARENGA (UFMG/MG)
MOVIMENTO E TEATRALIDADE
A aula consistirá de um aquecimento prévio fundamentado em Dança Moderna, seguido pela exploração
espacial, temporal e intencional das possibilidades expressivas de uma sequência de movimentos dada.

Mini Curso 4 –
Professor: RUI MOREIRA (Grupo CORPO/SeráQ. CIA. de DANÇA)
CRIAÇÃO NA DIVERSIDADE CONTEMPORÂNEA
A oficina propõe uma investigação, uma mobilização de um coletivo disponível à “experienciação” criativa
sobre as questões: Que experiências humanas apontam caminhos para a superação de conflitos no planeta?
Como se dão os processos de sensibilização e formação artística pelo ponto de vista das tradições étnico/
culturais? Entendendo “tecnologia “como conjunto dos termos próprios a uma arte ou uma ciência, que futuros
desejáveis as tecnologias nos permitem? Atividades: Aula de dança com princípios de dança moderna.
Discussão, exposição áudio visuais sobre as questões propostas. Interação conduzida dos oficinantes que por
meio do processo criativo e colaborativo criam e imaginam “visões de futuros”. Atividade lúdica e interativa de
criação de futuros utilizando diversas linguagens artísticas tais como: histórias em quadrinhos, repente/rap,
desenho, dança, música.
Mini Curso 5 –
ANA MACARA (FMH/Lisboa)
A PALAVRA COMO ESTÍMULO PARA A CRIAÇÃO COREOGRÁFICA

Trabalho vivencial de criação em que diferentes estímulos verbais são utilizados como meio para o
desenvolvimento de movimento e ideias coreográficas. A palavra utilizada em cena fora do contesto teatral
tradicional, abrindo possibilidades ao desenvolvimento de escritas cênicas individuais e coletivas. Criação
coletiva em escrita cênica contemporânea: A experiência de 4º coletivo.
Mini Curso 6 –
CORPO-VOZ: PERFORMANCE E VOCALIDADE
Professor: FERNANDO ALEIXO (UFU/MG)

A oficina irá trabalhar princípios básicos sobre a corporeidade e os mecanismos técnicos e expressivos da voz,
com ênfase na relação corpo-voz como aspecto fundamental na composição do trabalho do performer em
teatro-dança.
Mini Curso 7
A MEMÓRIA NA CONSTRUÇÃO DA CENA
Professor: ROGÉRIO SANTOS DE OLIVEIRA (UFOP/MG)

Foto:Feira das orquideas de Viçosa


Este Mini-curso, teórico, tem como objetivo explorar as relações de espaço e tempo na construção da memória
da cena. Para tanto nos utilizaremos de uma análise de processo realizada pelo discente Luiz Carlos Costa
Sarto, durante sua pesquisa de “Iniciação Científica”, quando pôde observar o processo prático de criação
realizado e dirigido por nós na disciplina Estudos Teatrais B – Preparação Atoral: Base Neutra e Criação -
realizada na Universidade Federal de Ouro Preto (2009) e que foi por ele documentada.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Grupo el Fareda

Ensaio aos Sábados das 16 as 17:30hs!!!

segunda-feira, 16 de maio de 2011

III Seminário Nacional de DançaTeatro



Foto: República da Universidade

Continuando...Caminhos da Dança- Teatro no Brasil
Universidade Federal de Viçosa
Aconteceu:02 a 05 de maio 2011
Palestras*Mini cursos* Mostras* Gts de pesquisas
Produzido pelo curso de dança/UFV
Coordenação: Dra. Solange Caldeira

Durante o dia ocorriam as oficinas e palestras e á noite eram apresentados espetáculos as 20hs no Espaço Cultural Fernando Sabino:

02/05 * Receita/ Rui Moreira
03/05 * Massageou seu gato hoje?/Bete Arenque e Rui Moreira
* Anfimixia/Ana Macara
Agora vou dizer um pouquinho sobre os dois que eu assisti:

04/05 * Fios de Maria/Evanize Siviero Romarco
Fios de Maria é um trabalho construído pelas histórias de bravas mulheres, que se dedicaram a costura para conseguir sobreviver aos desafios que a vida lhe impôs. Cada fio, cada agulha,cada cetim contam as histórias de suas vidas inundadas de amor,desilusão,dor e de esperança.Lembranças eternizadas e contadas de gerações a gerações.Essa peça me prendeu do início ao fim emocionante ver a passagem de tempo a mistura muito gostosa de dança teatro, a ligação da maquina de costura com a vida da personagem conseguiu me emocionar.

05/05 * V.E.R.Vermelho,encarnado e Rubro/Ana Macara
Um trabalho cenico afetado pela obra de Roland Barthes.Rubro,vermelho e encarnado.Falamos de vermelho quando falamos de emoção.Palavras quentes,movimentos fortes...Do amor ao ódio...Do alegre ao triste...O novo trabalho do 4 Coletivo leva-nos a vários estados de alma...De um estado exaltante a um mais enervante.Porque é de encarnado que falamos...
Diferente, engraçado ao mesmo tempo triste, forte, angustiante,provocativo ainda não formei minha opinião completa sobre o que assisti.

Boa Semana!!!

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Código de ética da dança do ventre



Foto: Jardim japonês em Buenos Aires


Código de ética da dança do ventre

O Código de Ética da Dança do Ventre foi elaborado por Shalimar Mattar, editora do jornal Oriente, Encanto e Magia e realizadora do Mercado Persa de São Paulo/SP.
É resultado de um trabalho que contou com a participação de 439 praticantes da dança do ventre (amadoras e profissionais) e demorou dez meses para ser concluído.
Foi publicado em 3 de março de 2002, durante o "1º Simpósio de Dança do Ventre" realizado em São Paulo.



"A dança do ventre é uma expressão artística e, como tal, deve ser difundida. Cabe às profissionais da área zelar pelo seu conceito, mantendo assim, os padrões de elegância que a envolvem e não permitindo sua vulgarização. Para exercer suas funções com dignidade, as profissionais da área devem receber remuneração justa pelos serviços artísticos ou didáticos prestados. É considerada conduta antiética a prática de concorrência desleal com outras profissionais da área." (bailarinas ou professoras).

Professoras
- A professora tem a função de ensinar e orientar pacientemente, sempre zelando, em primeiro lugar, pela saúde e bem-estar de suas alunas, e respeitando as limitações de cada uma.
- A todas as professoras é dada orientação que seus currículos estejam à disposição das alunas.
- É importante que a professora realize anualmente avaliações opcionais com suas alunas, as quais terão à disposição informações preciosas para a evolução de seu aprendizado.
- A dedicação ao ensino deve ser direcionada para o conhecimento de suas alunas e não como instrumento de vaidade pessoal para a promoção da professora.
- A professora deve exercer seu trabalho livre de toda e qualquer discriminação, motivando e respeitando suas alunas, independentemente de características físicas ou faixa etária, lembrando que esta é uma atividade que deve ser direcionada visando ao bem-estar e equilíbrio físico, mental e emocional. Portanto, não podem ser exigidos padrões estéticos que diferenciem ou discriminem qualquer uma delas.
- Para aptidão ao magistério da dança do ventre considera-se satisfatório um período mínimo de 4 anos de estudos na área, com aperfeiçoamento em didática e conhecimentos de anatomia, cinesiologia e biomecânica que possibilitem segurança na realização de um trabalho corporal consciente. O tempo de estudo pode ser reconsiderado a partir de cursos realizados anteriormente, como balé clássico, educação física ou faculdade de dança .
- A professora de dança do ventre deve buscar aprimoramento e atualização constantemente.
- A professora deve cumprir a programação e o cronograma de cursos oferecidos ou divulgados a suas alunas.
- Todas as alunas merecem igual atenção de sua professora, a qual não deve fazer qualquer distinção entre elas.
- A professora deve ser especialmente honesta quanto aos seus conhecimentos, buscando respostas corretas para esclarecimento de suas alunas. Todas as informações pertinentes ao curso que se dispõe a ministrar devem ser transmitidas com clareza e honestidade, visando ao efetivo aprendizado de suas alunas.
- Como a dança do ventre tem origens muito remotas e informações de difícil acesso, esta questão deve ser sempre esclarecida a priori, para se evitar a divulgação de histórias fictícias que resultem em prejuízo à sua imagem e evolução.
- A professora não deve estimular competitividade negativa entre suas alunas ou com outros grupos.
- A professora deve ter respeito e consideração com as demais profissionais da área, preservando um ambiente de relacionamento sadio que possa acrescentar ao desenvolvimento de todo o segmento, não utilizando a sala de aula como espaço para demonstrar rivalidades pessoais ou denegrir a imagem dos demais profissionais da área em pról de sua promoção. São ainda consideradas atitudes antiéticas:


Apresentar coreografias de outras profissionais sem prévia autorização, bem como omitir o nome da responsável por sua criação.
Coibir a participação de alunas em workshops e cursos que possam acrescentar elementos ao desenvolvimento e aprendizado.
Apresentar currículos com informações fictícias referentes ao aprendizado e experiência. Recomenda-se que, em se tratando de cursos e workshops, sempre se solicite certificado de participação.

Bailarinas
No Brasil, até a presente data, são consideradas bailarinas de dança do ventre todas aquelas que, possuindo o conhecimento e experiência necessários, prestem serviços artísticos profissionais (shows) mediante oneração.
- Cabe à bailarina profissional cumprir todas as cláusulas acertadas em contrato para prestação de serviços artísticos junto ao seu contratante.
- A bailarina profissional de dança do ventre deve zelar pela imagem moral da categoria que representa:

a) mantendo relacionamento de respeito e elegância junto ao seu público e contratante.
b) trajando-se de forma adequada aos padrões da categoria durante suas apresentações.

Faz parte da correta conduta ética entre bailarinas profissionais:

- Quando assistir à apresentação de outra bailarina e/ou alunas, dedicar o devido respeito e atenção.
- Quando estiver realizando apresentação em conjunto, ser solidária e direcionar o trabalho com espírito de equipe e união.
- Ter consciência de que cada profissional possui um estilo próprio que a diferencia e, assim, saber apreciar a admirar, com a devida humildade, todas as variadas formas de se expressar a mesma arte.
- Respeitar o local de trabalho de outras profissionais.

São consideradas atitudes antiéticas:
- Atravessar ou interferir em contato de trabalho de outra profissional estando ciente deste fato. - Distribuir material de propaganda pessoal durante serviços contratados por meio de outra bailarina.
- Criticar o desempenho ou denegrir a imagem de outra profissional junto ao público, contratantes ou demais colegas da área.
- Transformar uma apresentação coletiva em disputa pessoal de vaidade, interferindo na qualidade do trabalho apresentado.

A forma como uma professora e bailarina se referem à sua (s) mestra (s) é um exemplo que será seguido por suas alunas amanhã. Quem não respeita seu mestre não valoriza a arte.

Recomenda-se sempre avaliação médica antes do início das atividades, como em qualquer atividade física.

As responsáveis pela elaboração do Código de Ética esperam que a união, a humildade, a seriedade, o respeito e o amor sincero à arte estejam sempre acima de qualquer diferença pessoal. Que estes laços que nos aproximaram até aqui em favor do objetivo único de valorizar e organizar nossa arte se fortifiquem a cada dia, alcançando todas as praticantes da dança do ventre no Brasil.

domingo, 8 de maio de 2011

Caminhos da Dança- teatro no Brasil!!!



Aconteceu de 02 a 05 de maio de 2011 o III Seminário e Mostra Nacional de Dança- Teatro Na Universidade Federal de Viçosa/ UFV- Minas Gerais onde ocorreram oficinas,conferências, comunicaçôes teóricas e práticas e espetáculos.Eu tive a oportunidade de estar lá, muito bom abrir horizontes, novas pessoas, estudos, novidades,ar puro.Vou postando aos poucos alguns dos cursos que eu fiz e também algumas fotos do campus da faculdade que é belissima de encher os olhos, vale a pena ir conhecer um trabalho sério realizado pelo curso de dança.

sexta-feira, 11 de março de 2011

Hora de refletir!!!


Chega um momento da nossa vida que é necessário parar, refletir sobre a sua vida, se realmente você está sendo você mesma ou se o seu mundo está transformando você em outra pessoa.Cada um tem a sua essência e as vezes ela se perde e no fundo você acaba se machucando por estar vivendo com outros principios.Buscar a sua fé, independente do que for Deus é um só, que ele pede sim que tenhamos uma fé para que nos momentos dificeis voce consiga levantar.Hora de refletir se você tem amigos verdadeiros não precisa ser muitos, olha que se encher uma mão você esta no lucro!!! Sentir sozinho não quer dizer que você esta sozinho.Amar imensamente a sua família, pode não ser das melhores mas no momento de sofrimento essa será a unica que irá te entender e perdoar sem rancor.Descobrir que amar é bem diferente de dizer: EU TE AMO! Isso são somente palavras.Buscar a tua felicidade, não vale nenhum sacrifio se não for em busca da felicidade. Descobrir que riqueza não é material e sim espiritual.Descobrir que existem dois tipos de pessoas:boas ou más, não existe um meio termo.Desejar sempre o bem para o próximo,caridade é muito melhor para quem faz do que para quem recebe!Nada é certo ou errado, isso depende do ponto de vista de cada um.Todo mundo tem o direito de uma segunda chance, isso as vezes dói mas é a realidade. A verdade é nua e crua a mentira tem perna curta.Estabelecer principios e limites.Opa até ai tudo bem mais do que isso chegaaa.Cada um tem a sua opinião não tente e nem brigue para mudar isso.Briga de marido e mulher ninguem mete a colher.Sempre há uma luz no fim do tunel. Ajude de coração sem querer nada em troca.Cuide da saúde. Dinheiro não compra felicidade e nem saúde.Se você está infeliz com a sua vida só uma pessoa pode mudar isto: VOCÊ!!!

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Agenda Fevereiro!!!


AGENDA FEVEREIRO:


01/TERÇA- GLUTTON

03/QUINTA- DUNAS BAR

04/SEXTA- UALÁ

05/SÁBADO- FESTA FECHADA

07/SEGUNDA- JACÓ

08/TERÇA- UALÁ

10/QUINTA- KHAN EL KHALILI

11/SEXTA-UALÁ

24/QUINTA- DUNAS BAR

domingo, 30 de janeiro de 2011

Khan el Khalili

Meu vídeo do dia 27/01!!!

http://www.youtube.com/watch?v=67FwvhHGJZk

Beijinhuss Bom Domingo!!!

domingo, 16 de janeiro de 2011

Shows Janeiro!!!


Agenda Janeiro:

18/Terça- Maewa

26/Quarta- Dunas Bar

27/Quinta- Khan el Khalili

28/Sexta- Ualá

29/Sábado- Festa Fechada

30/Domingo- Dunas Bar