Sem apoio, bailarina sai da ZL e é campeã do mundo no Egito

January 24, 2018

Se você perguntar nas ruas de São Paulo pela bailarina Dana El Fareda, de 32 anos, dificilmente alguém saberá te informar algo sobre ela. Agora, se a pergunta for feita no Cairo, capital do Egito, provavelmente, alguns egípcios irão te responder: é a campeã do Festival Alhan Wa Sahlan 2017, na categoria Oriental Professional Egyptian Folklore (Profissional Folclore Egípcio).

 

Em outras palavras, Dana saiu do Anália Franco, bairro da zona leste de São Paulo, para ser campeã do mundo na África no último mês de julho. "O Alhan Wa Salan é o maior festival de dança do planeta. Em uma comparação com o futebol é como se fosse a Copa do Mundo. Há festivais no Brasil, na América...Porém, este é o principal", disse a bailarina e empresária, proprietária do Espaço El Fareda, ambiente localizado no Anália Franco e que possui seis salas destinadas ao ensino de vários estilos de dança.

 

Além da primeira colocação na categoria Oriental Professional Egyptian Folklore, Dana foi a terceira colocada na modalidade Shaabi & Mahraganat. "Somando as minhas premiações em 2011, 2012 e 2016, sou a única brasileira que subiu seis vezes ao pódio no festival", destacou.

 

O mais curioso deste título é que Dana quase não foi para Cairo. "Decidi ir de última hora. Achei que estava despreparada para competir, mas sonhei de terça para quarta que estava dançando nas pirâmides. Algo falou para eu ir. No Egito, competi com russas e japonesas de 18 anos que treinam oito horas por dia", relatou.

 

"Cheguei na outra quarta-feira, 4 horas da tarde e, às 20h30, já estava me apresentando. Mostrei o que eu sei, com minha arte e meu coração. Mesmo sem saber falar inglês e árabe, consegui me comunicar com a banda que tocou ao vivo nas apresentações", salientou.

 

"Após alguns dias de disputa, enfrentando bailarinas do mundo inteiro, fui campeã no dia do aniversário da minha mãe, que completou 60 anos na mesma data em que ganhei o troféu. Ela, que foi uma das pessoas que mais me incentivou a viajar, disse-me que foi um presente de aniversário", ressaltou.

 

Para ser considerada a melhor bailarina do mundo, Dana teve que arcar sozinha com todos os custos da viagem. "Gastei R$ 5 mil com passagens, cerca de R$ 2.500 com a hospedagem por 15 dias e quase R$ 8 mil com alimentação, aulas, locomoção e outras coisas, sem apoio nenhum", afirmou.

 

Segundo a bailarina, trabalhar com dança no Brasil é complicado, pois não há muito reconhecimento.

 

"A nossa área não é muito valorizada no País. Após ganhar a premiação no Egito, fiz uma escala em Dubai. Representantes de um restaurante falaram que fariam uma festa em minha homenagem. Fui maquiada e ganhei presentes porque lá a dança é valorizada. As pessoas queriam me dar as coisas para que eu usasse e divulgasse a marca. Aqui, quase ninguém tem esta noção. Os brasileiros não sabem que a melhor bailarina do mundo é daqui", argumentou.

 

"Mas quando têm este conhecimento, a coisa muda um pouco. Um dia fui comer em um restaurante no Tatuapé acompanhada por um amigo. Ele disse a alguns clientes que eu era campeã mundial. Algumas pessoas pediram para tirar foto comigo (risos)", finalizou.

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Campeã do mundo, bailarina volta à festival no Egito para ensinar novas profissionais

April 5, 2018

1/1
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

Rua: Acuruí, nº 77.

Anália Franco - Tatuapé/SP

estudio.danaelfareda@gmail.com

WhatsApp: (11) 9.4027-2231

Telefone: (11) 2671-1810 

Copyright © 2019 I Dana El Fareda Estúdio de Dança